10.7.07

Palavras farpas









Os judaístas acreditam que as palavras são poderosas. Como os produtos químicos, elas mudam a química interna do corpo.

Eu acredito que são tão fortes como as acções. Verbalizar uma vontade ou uma maldade pode ter consequências tão concretas, como sendo as nossas próprias mãos a executar tal desejo. Todos os dias são trocadas um incontável número de palavras pelo mundo, que manifestam intenções, disposições, razões e emoções. Ou um conjunto confuso de tudo isto.
Há palavras que não significam nada, são apenas a espuma de encher os espaços vazios. Há outras que têm a força de uma catarata. Palavras que libertam sorrisos, descontrolam lágrimas, provocam murros, disparam fugitivos, escondem magoados, iludem enganados, abafam ostracizados, vangloriam exarcebados. Palavras que fazem e dizem e acontecem. Pequenas farpas que não se apagam como no papel, com a borracha ou um simples delete no Word. Palavras que marcam, que doem e que nos fartam! Palavras que nos torturam, angustiam e abandonam. Não queremos ser ouvintes, mas ser surdos. Falar outra língua, rezar para que o gongo toque e nos salve ou que uma sirene as abafe. Sons em forma de palavras que têm o poder de arrancar bocados, de provocar estilhaços, de nos deixar mudos e cansados.

4 comentários:

Rita disse...

E sabes que os Hindus acreditavam que a nossa dor e a nossa tristeza não existiria se não fossem as palavras? que são as únicas culpadas da nossa decepção.Logo temos sempre que medir os nossos actos e a nossas palavras....

:-)

TANIA disse...

Não sabia, mas fiquei a saber. obrigada. Quem e´s tu, Rita?

Fiac bem

:)

Zofia disse...

Sábios, os Hindus...

Adorei o teu texto...

Eu valorizo muito as palavras, os pensamentos, e as atitudes, e...e... Faz tudo parte de nós. A maneira como olhamos, como esperamos antes de responder, como nos calamos, como queremos falar e falar e falar. Isto quer dizer isto e nunca aquilo. Faz tudo tao parte de nós e é tao facil um castelo cair por terra. Mais dificil é ele se manter...

Nao sei onde descobri que uma estátua de um rei em cima de um cavalo podia dizer tantas coisas. Se o cavalo tiver uma pata levantada, o rei foi ferido em combate e morreu. Duas patas no ar, e o rei morreu em combate.

Todas as coisas fazem sentido... nao há coincidencias, e temos muitas oportunidades tracadas (com cedilha) por nós muito antes de sermos nós, mas aqui cabe-nos escolher os caminhos, as atitudes, e finalmente... as palavras.

Depois, só temos de saber ler os sinais.

Mais uma vez, gosto muito de te ler.

TANIA disse...

OBRIGADA linda Zofia!!
Beijos