14.10.11

Elogio da amizade


Há pessoas que aparecem na nossa vida e nós nem sabemos muito bem porquê. Há pessoas que desaparecem da nossa vida sem nós nunca sabermos muito bem porquê. Nestes entretantos há as outras pessoas. As que nos telefonam todos os dias só para saber se estamos bem, as que nos gritam ao telefone verdades duras que precisamos de ouvir, as que dão um abraço sem ser preciso pedir, as que choram quando nos vêm chorar, as que dançam ao nosso lado até de madrugada, as que nos deixam os filhos nos braços sem medo, as que soltam gargalhadas quando dizemos disparates, as que riem de nos verem sorrir, as que eram capazes de bater em quem nos fizesse mal, as que nos levantam a voz quando estamos a desatinar, as que nos levam para casa, nos seguram na cabeça e nos deitam na cama, as que nos fazem o almoço, ou o jantar e estão ali sem perguntar, as que nos elogiam, as que nos pedem conselhos, as que nos ouvem e ouvem e ouvem e ouvem e nunca mostram enfado, as que não concordam connosco mas não nos viram as costas, as que estão longe, mas conseguem estar tão perto, as que nos tiram de casa porque sabem que é só isso que é preciso, as que nos aparecem à porta com uma garrafa de vinho,  as que nos enviam textos, vídeos e imagens só porque sim, as que nos levam a passear, as que nos convidam para estar, não importa onde, nem quando, as que nos amam incondicionalmente, estejamos magras, gordas, deprimidas ou alegres, a trabalhar ou desempregadas, com dilemas ou bem resolvidas, capazes de dar ou egoístas, borradas de rímel, doentes com varicela ou vestidas de festa para arrasar. As que nos amam pelo que somos, mas principalmente porque acreditam na pessoa que ainda vamos ser. E essas pessoas andam aí. E são pessoas assim que eu tenho e quero ao pé de mim.

Hoje faço Parabéns.

E ainda não percebi se estou contente com isso, ou não.

12.10.11

Como qualquer toxicodependente

Também eu conto os dias.
90 longos dias. 
Primeira fase superada.

Change is here to stay, my friends.


Change is something that presses us out of our comfort zone. It is destiny-filtered, heart grown, faith built. Change is inequitable; not a respecter of persons. Change is for the better or for the worst, depending on where you view it. Change has an adjustment period which varies on the individual. It is uncomfortable, for changing from one state to the next upsets our control over outcomes. Change has a ripping effect on those who won’t let go. Flex is the key. Even a roller coaster ride can be fun if you know when to lean and create new balance within the change.  Change is needed when all the props and practices of the past no longer work. Change is not comforted by the statement ‘just hang in there’ but with the statement ‘you can make it’. We don’t grow in retreat, but through endurance. Change isn’t fixed by crying, worrying, or mental treadmilling. Change is won by victors not victims; and that choice is ours.
Change is awkward -- at first. Change is a muscle that develops to abundantly enjoy the dynamics of the life set before us. Change calls own strength beyond anyone of us. Change pushes you to do your personal best. Change draws out those poised for a new way. Change isn’t for chickens. Change does have casualties of those defeated. Change will cause us to churn or to learn. Change changes the speed of time. Time is so slow for the reluctant, and yet it is a whirlwind for those who embrace it. Change is more fun to do than to be done to. Change seeks a better place at the end and is complete when you realize you are different.
Change is measured by its impact on all who are connected to it. Change is charged when you are dissatisfied with where you are. Change doesn’t look for a resting-place; just the next launching point. Change is only a waste to those who don’t learn from it. Change happens in the heart before it is proclaimed by our works. Change chaps those moving slower than the change itself.  If you can change before you have to change, there will be less pain. Change can flow or jerk, depending on our resistance to it. Change uses the power invested in the unseen to reinvent what is seen. Change is like driving in a fog – you can’t see very far, but you can make the whole trip that way.

Change is here to stay.



[porque nunca é demais ler este texto]

8.10.11


Quando um homem precisa 
de ter sexo com várias mulheres,
é porque só está à procura de uma.



[remember this Ping Ping]

7.10.11

Don’t wanna lose







Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
I never knew you
I never knew
I never knew you
I never knew
You bought .. to every shape
To cross the deeper on ..
Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
.. with everyword
The more you ask me the more I ..
For the first time I never hide
I never dream for another man

Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
My baby screamed
My face screamed without an emotion
In the darkness comes another
Another
Ordered by the .. the other the other
Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose
Don’t wanna lose you
Don’t wanna lose



You never know how strong you are 
until being strong
is the only choice you have.
 
 
 
 

Unfortunately there are really bad blow Jobs.


blow 1  (bl)
v. blew (bl), blown (bln), blow·ing, blows
v.intr.
11. Slang To go away; depart.
 




5.10.11



If you can´t handle the fox,
keep up with the deer.

[Foto daqui]

...it's true Mr. Hubble.

4.10.11

29.9.11

Nothing will arm you, nothing will stand in your way


Reposição




Os caminhos desapareceram da alma humana

 
Caminho: faixa de terra sobre a qual se anda a pé. A estrada distingue-se do caminho não só por ser percorrida de automóvel, mas também por ser uma simples linha ligando um ponto a outro. A estrada não tem em si própria qualquer sentido; só têm sentido os dois pontos que ela liga. O caminho é uma homenagem ao espaço. Cada trecho do caminho é em si próprio dotado de um sentido e convida-nos a uma pausa. A estrada é uma desvalorização triunfal do espaço, que hoje não passa de um entrave aos movimentos do homem, de uma perda de tempo.
Antes ainda de desaparecerem da paisagem, os caminhos desapareceram da alma humana: o homem já não sente o desejo de caminhar e de extrair disso um prazer. E também a sua vida ele já não vê como um caminho, mas como uma estrada: como uma linha conduzindo de uma etapa à seguinte, do posto de capitão ao posto de general, do estatuto de esposa ao estatuto de viúva. O tempo de viver reduziu-se a um simples obstáculo que é preciso ultrapassar a uma velocidade sempre crescente.
[Milan Kundera, in "A Imortalidade"]
 
Foto daqui

23.9.11

Como é que o João Tordo me passou ao lado durante tanto tempo!?!


Hein? !Ando a dormir...
Após ver uma entrevista dele na RTP Memória, vou já ali comprar um livro dele, apesar de serem duas da manhã.


[E com este post completei os 1000 post. Assim, sem dar por ela.]

22.9.11

Eu não sou uma pessoa púdica, mas acho que o facebook está a abusar




Ao menos dá-nos liberdade de escolha. 
Mas desconfio que os senhores que gerem o Sexbook não vão achar muita piada.

21.9.11


OU TO NO


do meu contentamento

[Foto daqui]

20.9.11

Duas de seguida







Now and then I think of when we were together
Like when you said you felt so happy you could die
Told myself that you were right for me
But felt so lonely in your company
But that was love and it's an ache I still remember

You can get addicted to a certain kind of sadness

Like resignation to the end
Always the end
So when we found that we could not make sense
Well you said that we would still be friends
But I'll admit that I was glad that it was over

But you didn't have to cut me off

Make out like it never happened
And that we were nothing
And I don't even need your love
But you treat me like a stranger
And that feels so rough
You didn't have to stoop so low
Have your friends collect your records
And then change your number
I guess that I don't need that though
Now you're just somebody that I used to know

Now and then I think of all the times you screwed me over

But had me believing it was always something that I'd done
And I don't wanna live that way
Reading into every word you say
You said that you could let it go
And I wouldn't catch you hung up on somebody that you used to know...

But you didn't have to cut me off

Make out like it never happened
And that we were nothing
And I don't even need your love
But you treat me like a stranger
And that feels so rough
You didn't have to stoop so low
Have your friends collect your records
And then change your number
I guess that I don't need that though
Now you're just somebody that I used to know

I used to know

That I used to know

Somebody...



19.9.11

Da ambiguidade

[foto de mim]


Se caio é porque te prendo,
Se me solto,
deixo-me ver, mas não satisfaz.
Quando é que começou a ser de menos
e quando é que demais nunca chegou?
Passeio pelos corredores do passado,
procuro pistas, vejo alvos e balas.
Há demasiado cansaço, isso sim.
Vejo olhos mal dormidos, raiados, sem sol,
obscuros no redemoinho da ambiguidade.
Vejo querer, dever e apetecer
mas não vejo capaz.
Será que mais nunca chega
ou chegaria, um dia, a ser demais?


Metamorfose


Lá dentro,
muito dentro de ti mesmo,
- nem sabes -
há muitos, muitos homens,
tantos,
talvez os homens todos,
num espaço em que não cabes,
ao abandono, a esmo
amarrados, mudos,
como lobos,
ou parados, castos
como santos,
espreitando os dias que hão-de vir,
farejando os rastos,
disfarçando enganos,
à espera de subir...
E numa hora certa, 
quando o contexto, a sorte,
a ocasião, a dor
algum deles desperta,
hás-de sentir rasgar o ódio
ou desenhar o amor,
e verás afinal,
que ser desconhecido,
existe em ti escondido,
atrás do baço, incolor,
homem formal,
adormecido.



[Tenho este poema comigo desde os 15 anos, escrito a computador e impresso numa folha daquelas de rolo, quando as impressoras ainda faziam um barulho de acordar o prédio todo. Sei que o usei para um trabalho do liceu e lembro-me perfeitamente da imagem que escolhi para o acompanhar. Guardo esse poema dentro do mesmo livro, que guardo desde os 15 anos. Nunca soube quem o escreveu. Não o identifiquei na altura, provavelmente porque não o sabia, mas adorei-o. Continuo a adorar este poema e de vez em quando lembro-me dele. Hoje lembrei-me. E lá estava ele, dobrado, dentro do mesmo livro, à minha espera.]

Estou deveras comovida leitores:


Coreia do Sul    7
Indonésia          5
Índia                  3
Singapura         3
Ucrânia             3












18.9.11

O primeiro dia do resto da minha vida


Há primeiros dias e há primeiros dias. Amanhã é "um" primeiro dia absolutamente diferente de todos os outros. Porque é repetido, mas é diferente. Porque já aconteceu, mas não é o mesmo. Amanhã começa um ciclo novo, longo e de futuro. Um investimento para os próximos 33 anos da minha vida. Porque às vezes é preciso experimentar, deixarmo-nos guiar e ouvir. Porque às vezes a resposta está em nós e nós não a vemos. Por isso, amanhã vamos ver se é desta!




16.9.11

Paixão, Pedro

 [Foto daqui]


"Já não sinto a tua falta. Choro só o luto de te ter perdido. Por isso não são saudades: é só a dor do vazio, o sentimento do fracasso. Não há lágrimas que me inundem a cara, nem tristeza que me aproxime dos abismos. Antes um sentimento de perda constante. Como se estivesses a afastar-te de mim, e eu só me pudesse lembrar de ti assim distante. Dois passos para a frente, três para trás. Dois em rodopio e depois nada." in A rapariga errada


Give up the chicken.
Let's get some wolf!

15.9.11

Não tenho mais nada a dizer


Está a custar-me...

deixar este espaço, ainda para mais agora que lhe fiz um lifting.
Estou a 13 posts dos 900 publicados (em rascunhos são mais de 200).
E a dois meses de completar os 5 anos de existência.
Por isso, vou continuar com ele, e desdobrar-me em duas.

O outro blog já está criado. 
Faltam só uns pormenores, para vos poder informar.
Obrigada a todos os que enviaram o contacto para me seguirem no outro lado.



Discussões dos tempos modernos: "I need Myspace, so stop twitting me, because I don't want to see your facebook anymore!"

A vida...


A insustentável leveza do ser


É natural que quem quer "elevar-se" sempre mais, um dia, acabe por ter vertigens. O que são vertigens? Medo de cair? Mas então porque é que temos vertigens num miradouro protegido com um parapeito? As vertigens não são o medo de cair. É a voz do vazio por debaixo de nós que nos enfeitiça e atrai, o desejo de cair do qual, logo a seguir, nos protegemos com pavor.  (...)

[Milan Kundera]

14.9.11

Me incognita




Feliz


Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!


[Fernando Pessoa] 
 
(especial obrigada à minha Amiga, à conta de quem ando a encher de posts este blog.)

O que foi


Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já não me dói
A antiga e erronea fé
O ontem que a dor deixou
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

[Fernando Pessoa]

(especial obrigada à minha Amiga, à conta de quem ando a encher de posts este blog.)

12.9.11

Serious case of love




E quem quiser ver o Tom Yorke a dançar ao som desta música é só ir aqui.

10.9.11


Várias histórias. 
O mesmo tema. 
Um dos sítios que mais gosto de visitar.
Há muito tempo.
o amor no meio de tudo o resto

6.9.11

Estou a tratar das mudanças... estou a tratar das mudanças!

Estão a demorar mais do que o previsto, mas a fazer.
Será todo o mundo avisado, hein!? E já sabem...  
O FIM É SEMPRE O PRINCÍPIO DE OUTRA COISA QUALQUER!


Até lá!


Foto daqui


Poema de Rumi


“Este ser humano é uma casa de hóspedes.
Todas as manhãs, uma nova chegada.
A alegria, a depressão, a ausência de sentido,
alguma consciência momentânea, chega
como visitante inesperado.
Dê-lhes as boas vindas e entretenha-os a todos!
Mesmo que sejam uma multidão de dores
que violentamente arrasam a sua casa,
despejam a sua mobília,
ainda assim, trate cada hóspede honradamente.
Ele poderá estar a prepará-lo
para um novo prazer.
Os pensamentos escuros, a vergonha, a malícia,
encontre-se com eles à porta, rindo,
e convide-os a entrar.
Esteja grato a quem quer que venha,
porque cada um, foi enviado
como um guia do além.”



  [poeta, filósofo, jurista e teólogo Persa, do séc.XIII,
intitulado: “A Casa de Hóspedes”]

1.9.11

Escritos pelo "O Arrumadinho"

Textos retirados do blog http://oarrumadinho.blogspot.com

 
Pais e Mães Solteiros

Há mulheres que defendem que os homens que já têm filhos devem ser retirados do "mercado" porque as relações com eles são uma fonte de problemas. Há outras que defendem mais ou menos o mesmo, e que sugerem que os pais divorciados devam apenas relacionar-se com mulheres na mesma situação, já que se compreendem mutuamente e têm mais facilidade em lidar com os problemas inerentes aos "filhos dos outros".

Lembro-me de há uns anos ter tido uma discussão violenta com uma pessoa que me disse que o facto de eu ter um filho representava "uma limitação". E apesar de, racionalmente, eu perceber o sentido da palavra "limitação", e de até entender que para uma mulher solteira e sem filhos será mais confortável envolver-se com um homem sem filhos, custou-me muito ouvir aquilo. E quem pensa assim poderá estar a querer evitar um problema para mergulhar num ainda maior.

Nos dia de hoje parece-me demasiado preconceituoso e até estúpido pensar-se que os pais (ou mães, claro) divorciados são "fontes de problemas", e que os filhos que eles trazem de outros relacionamentos representam "uma limitação". Mas será preferível encontrar uma pessoa que não tem essa limitação, mas que depois é viciado em álcool? É preferível encontrar uma pessoa que não tem essa limitação, mas depois trabalha 15 horas por dia, e passa os fins-de-semana a trabalhar no computador de casa? É preferível encontrar uma pessoa que não tem essa limitação, mas depois odeia viajar, não gosta de livros e passa o dia em casa deitado no sofá a vegetar? É preferível encontrar uma pessoa que não tenha essa limitação, mas que se revela um ser completamente acéfalo e desinteressante?

Todos temos limitações, umas maiores do que outras, umas mais graves do que outras, mas claro que para se vencerem essas limitações é preciso esforço e empenho. Conquistar uma criança, o seu afecto, o seu amor, parece-me uma tarefa bem mais interessante do que afastar um homem do álcool, da droga, ou lutar contra a profissão dele, para que a relação não esteja sempre em terceiro ou quarto plano (atrás do trabalho, dos amigos, da família, etc.).
Claro que há gente que pode não ir à bola com criancinhas, mas lá está, ultrapassar potenciais problemas dá trabalho, obriga a alguns sacrifícios, mas as relações fazem-se, também, de momentos altruístas, em que se calhar não estamos a fazer o que mais nos apetecia na altura, mas estamos a "trabalhar" para a felicidade comum. Para um padrasto ou uma madrasta, ir à Kidzania com o enteado pode ser a coisa mais entediante do mundo, mas também pode ser um momento em que nos entregamos a ele e participamos, com ele, num momento de felicidade, o que só irá fazer com que ele goste mais daquela pessoa nova que entrou na vida dele.

Claro que depois há o outro lado, que não depende da criança, que é a relação do nosso companheiro ou companheira com a ex ou o ex. É óbvio que vai ter de haver esse contacto durante muitos anos, mas parece-me que quando os casais estão separados todas as conversas, todos os contactos, todos os assuntos andam à volta do mesmo: a criança. Há gente mais intrometida, há casos de paranóia, mas na maior parte dos casos o tempo resolve isso.
Acredito, sobretudo, que quando se ama não se deve desistir de alguém só porque essa pessoa tem um filho de outra relação. Conquistar a criança pode ser um desafio fascinante, que terá como retribuição amor. E isso não tem preço.

Por outro lado, hoje em dia, quando o número de divórcios cresce todos os anos, quando parece que todos temos cada vez menos paciência para fazer funcionar os casamentos, o que mais começa a haver é pais e mães solteiros. E a pessoa que hoje recusa um homem porque ele tem um filho pode bem ser, amanhã, a discriminada. Pensem nisso.

É tão difícil encontrar gente boa, interessante. Se vamos limitar o universo, excluindo os que já têm filhos, arriscamo-nos a acabar com um traste. Mas ao menos vem sem "mochila". Que bom.



Os filhos mudam tudo

Os filhos mudam tudo.
Deve ser uma das frases que mais oiço a pais vividos, quando em conversa com os pretendentes a papás.
E na verdade os filhos mudam tudo.
Há quatro dias, uma das minhas melhores amigas foi mãe.
Há três dias, um dos meus melhores amigos, que foi pai há uns meses, separou-se.
A ela tive de dizer que os filhos mudam tudo, e alertei-a para muitos perigos de quem já passou pelo nascimento de um filho; a ele tive de dizer que os filhos mudam tudo, e tranquilizá-lo quanto ao futuro, porque também já passei por tudo o que ele está a passar.

Hoje, acho que os filhos mudam tudo, mas tenho a certeza de que é fácil ser-se feliz com a nova realidade que nos bate à porta de um dia para o outro, e que nos rouba muitos momentos fantásticos a dois, substituindo-os por outros que podem ser ainda melhores, mas a três. E o mais importante de tudo é mesmo ter a noção do que se vai encontrar, perceber o que vai mudar, ter consciência do trabalho e das privações que vamos ter pela frente, e estar preparado para todo esse mundo novo.

A maior parte dos casais que se separam após o nascimento de uma criança não sabem lidar com esse mundo novo. Não o dominam – deixam-se dominar; não o enfrentam – anulam-se; não percebem que a vida deles não acabou – está apenas a começar num novo formato.

Os medos delas
Homens e mulheres têm posturas diferentes relativamente à questão da gravidez/nascimento da criança. Já assisti a imensas discussões sobre este assunto e quase todos batem nas mesmas teclas.
Elas sentem-se mal com o corpo, porque engordaram como nunca e têm borbulhas, e tornozelos agigantados. Sentem-se mal de saúde, porque estão muitas vezes enjoadas, e inchadas e com dores de costas. Sentem-se com a auto-estima em baixo, porque se acham feias e desinteressantes. Sentem-se amedrontadas, porque têm medo de falhar, têm medo do desconhecido, têm medo de não corresponder ao que lhes é exigido, têm medo de não saber tratar de um bebé. Sentem-se inseguras, porque acham que os parceiros já não as acham sexy e vão querer saltar para cima da colega de trabalho. Sentem-se perdidas, porque já não estão a trabalhar, mas também ainda não têm assim tanta coisa para tratar relativamente ao nascimento da criança. Sentem-se receosas, porque fazem contas à vida e começam a perceber as despesas todas que vão ter. Sentem-se pressionadas, porque os pais e os amigos estão sempre a dar palpites sobre o que elas devem fazer e não fazer.

Na verdade, tudo isto gera, muitas vezes, depressões pré ou pós-parto. Há casos, até, de depressões pré e pós parto, que podem durar por um período indeterminado. Mas como qualquer doença, também isto se cura. O problema maior é mesmo que o doente reconheça que está doente, e esteja disposto a tratar-se, o que nem sempre acontece.
Grande parte dos conflitos entre os casais que têm ou vão ter o primeiro filho advém de algumas destas fragilidades e mutações por que o casal passa.

O papel deles

Ao homem cabe o papel de tentar, de alguma forma, tranquilizar a mulher, ajudar em tudo o que lhe for possível, não deixar que ela entre em pânico, continuar a dar-lhe provas de amor e, também ele, começar a preparar-se para a tal nova realidade que aí vem e que lhe irá, seguramente, alterar rotinas, prioridades, sonos, programas.
Sinceramente, acho que só é possível superar todas as dificuldades relativas ao nascimento de uma criança se a relação entre o casal for muito forte, cúmplice e assente em amor, amizade e companheirismo. Se uma qualquer destas coisas começa a faltar, o mais provável é a torre vir abaixo. Se o amor já é fraco, ou ainda não é suficientemente forte, a vontade de parte a parte em superar tudo e muito menor. Se não há companheirismo, perde-se o respeito, e sem respeito vai-se o amor, e sem amor vai-se tudo.
Este é um jogo de equilíbrios delicado que assusta um bocadinho, mas que todos devem estar cientes de que existe. Mas se decidimos que vamos a jogo temos, os dois, de conhecer as regras.

Os pais que se anulam
Outro dos maiores problemas após o nascimento da criança tem a ver com o facto de muitos pais deixarem-se anular por completo. Deixam de fazer tudo, mas mesmo tudo, por causa da criança. Não há cinemas, não há férias, não há jantares de amigos, não há saídas a dois, porque primeiro está o bebé. Naturalmente que quem nunca teve um filho fica assustado com essa tal realidade nova, não sabe o que fazer, mas por isso disse antes que é preciso conhecer as regras de jogo, e as regras de jogo dizem que é preciso ter bom senso, é preciso ser adulto, é preciso perceber que sem momentos de felicidade a dois (ou até sozinhos - porque também precisamos de tempo para nós, homens e mulheres) jamais haverá momentos de felicidade a três, porque a união quebra-se, porque ninguém é feliz, porque deixou de haver um amor entre três pessoas, e passou apenas a haver uma mãe que ama um filho, um pai que ama um filho, e não há um pai que ama uma mãe, apenas um homem e uma mulher que tratam de uma criança.

O sexo
Pode parece estúpido ou até uma falta de sensibilidade falar de sexo nesta altura, mas a sexualidade também desempenha um papel fundamental nesta fase da vida de um casal que vai ter ou teve recentemente um filho (“lá estão os homens a pensar no sexo, e sempre a pôr o sexo à frente de tudo”, vão pensar algumas leitoras). Quando falo de sexualidade falo sobretudo de intimidade. A baixa auto-estima das mulheres leva a que muitas vezes se afastem dos companheiros, que recusem todos os contactos ou aproximações mais íntimas. As hormonas também têm aqui um papel importante, é evidente, e os níveis de desejo podem baixar significativamente. Mas uma coisa é não ter desejo, outra é afastar-se sexualmente do companheiro durante três, seis, nove meses, ou por vezes durante mais tempo. Não chega dizerem-nos “Olha, amanha-te, porque agora tive um filho teu e não me apetece”. Da mesma forma que os homens têm de perceber que nesse capítulo as coisas são diferentes, as mulheres devem entender que não podem, pura e simplesmente, deixar de existir enquanto mulheres e passarem a ser exclusivamente mães. Muitos amigos meus queixam-se disso mesmo: “Agora já não tenho mulher, tenho uma mamã lá em casa”. E isso é outro dos factores que levam ao afastamento entre os casais. O sexo é uma forma de aproximação entre os casais em qualquer altura, é um momento de intimidade e amor. E quando isso se vai, lá está, tudo o resto pode ruir.

Um filho muda tudo.
Mas pode ser a melhor coisa do mundo para um casal.
É só ser crescidinho, ter bom senso e muito amor para dar. Ao filho e ao parceiro ou à parceira.

29.8.11

CAROS SEGUIDORES II


A quem já mandou contacto de e-mail, muito obrigada. 
A quem deixou comentário mas não deixou e-mail, vamos lá a tratar disso. 
A quem fez perguntas, tem só a ver com as limitações deste serviço e as potencialidades de um outro que descobri e gosto mais. Tem também a ver com um novo ciclo meu, em que o blog vai deixar de ser tão pessoal, para passar a ter textos mais trabalhados.
A quem já deixou de seguir, muito obrigada também.

E para quem ainda está de férias e quando chegar já não vai a tempo, vou deixar mais uns dias. Só por causa de vocês.
Quem não chegar mesmo a tempo, eu vou tentar fazer um apanhado dos e-mails de quem tem visível e enviar o endereço. 

Obrigada! 
Até já.

27.8.11

CAROS SEGUIDORES,


Este blog vai rumar para outras paragens e eu também. Mas, gostaria que continuassem comigo. Por isso, vai ser necessário fazerem-me chegar os vossos e-mails (e respectivo nome com que me seguem aqui) para vos enviar "convite" para o novo blog. Basta fazerem um comentário a este post, que eu recebo automaticamente no meu e-mail pessoal e não publico nada, obviamente. Obrigada. 

Este espaço termina no dia 31 de Agosto.
Até já.

Depois de uma curva, há sempre uma recta.


ROX - No Going Back (Acoustic) from Rough Trade Records on Vimeo.

26.8.11



Por estas noites, e estes dias, 
vêem-se muitos vendedores de sonhos, 
e tomadores de bicas.
 
 
[                                           ]

Dos tempos


E às vezes são precisos apenas uns minutos, 
para que um verbo conjugado no presente passe a ser conjugado no passado. 
E às vezes é só isso que é preciso.

Ponto final.
Parágrafo.

16.8.11

29.7.11


If you want something, you’ll find a way. 
If you don’t, you’ll find an excuse.

[Quando alguém quer uma coisa, arranja uma maneira.
Quando não quer, arranja uma desculpa.]


Não sei a autoria.


Descaradamente roubados à minha amiga, que os encontrou por aí na web. 
Thank you and sorry, Cat, but I couldn't express myself better.

20.7.11

Escrevi há 4 meses


Já não sei muito bem a que é que me referia, mas tem sentido outra vez.

19.7.11


Deus não me deu um grande par de mamas, 
mas deu-me um grande par de tomates.
Antes assim.


É que a falta de peito resolve-se. Já o resto...

Em loop

14.7.11

E depois um dia...



E depois um dia, a vida, apanha-nos as pernas distraídas e enrola-nos, para nos despejar como um náufrago, numa areia a escladar, e fazer de nós uma cria de tartaruga cega, que tem de descobrir o caminho, andar e avançar.

13.7.11

7.7.11

AHAHAHAHAHA...


 Antevisão de mim, daqui a uns meses.