27.3.08


Os corredores dos centros comerciais já não eram grandes demais. Os sacos que carregava não eram sufientes ainda. Os chocolates, os bolos, os cigarros, os copos. Nada lhe chegava e cada vez consumia mais. Mais corredores, mais sacos nas mãos, bolos e chocolates por ingestão e apertos de cigarros e copos no coração.
Doses de adrenalina libertada em discotecas e ginásios,
música aumentada, horas de sono duplicadas, banhos multiplicados. Cada vez mais. Cada vez mais. Em excessos, em retrocessos. Cabeça doente, corpo demete. Às voltas, às voltas pelos corredores dos centros comerciais, cada vez mais carregada. De sacos, de mágoa. Carregada com tudo. Mas cheia de nada.

2 comentários:

pu pu pi tu disse...

gosto.
muito!

Tania Rodrigues disse...

Obrigada Carlita!
Tenho de voltar à minha escrita, mas a sério.