10.11.08

A_idade_aos_bocados


Começam a cair aos bocados. Os nossos corpos são farrapos. São anos. Dentaduras, lentes, implantes, descolorações, extensões. Pegamos na bengala, nos óculos e nos dentes, tal como pegamos no casaco para sair. Não somos trapos nem farrapos, somos uma manta de retalhos, de próteses e extras que nos devolvem as funções originais. Somos um rasto do que fomos, exagerados no figurino, tentando parecer compostos. Pós na cara, cremes, batôns, penteados, lacas, casacos a naftalina preservados, que nos dão cheiro de mortos. E o que é que podemos fazer? Liftings, enchimentos, lipoaspirações, correcções. Já que as funções já falham e o ritmo desacelera o cérebro. E o que somos? Farrapos não, mas retalhos de passado. Não acabado, mas sim um pedaço da idade, aos bocados.

4 comentários:

Smokin' Han disse...

Somos isso e muito mais: somos todas as expectativas e medos das imperfeições futuras. Somos a ansiedade latente da perda do que somos hoje.

O problema é que no processo, esquece-se disso mesmo, do que somos para além disso, do que somos e temos aqui e agora... se não se aproveitar isso, então aí sim... é um cheque sem cobertura para uma amargura que nos vai cobrar juros que serão muito difíceis de pagar.

Rita disse...

dá medo...receio...

T disse...

Eu sei que somos isto e muito mais, mas eu aqui só quis falar/destacar a parte da degradação física.

Vanita disse...

Obrigada pela visita e pelos comentários. Tenho de visitar o teu com atenção. Como descobriste o meu? :)

Beijos